fechar
Crítica: The True Cost (2015)
Imagem: Divulgação

Nos últimos meses, tenho tentado me informar mais sobre movimentos que vão contra essa cultura hegemônica atual de consumismo excessivo. Acabei me interessando por dois movimentos: o minimalismo e o lowsumerism (slow consumerism – “consumo lento” em tradução livre).

Muitas das coisas que eu tenho aprendido foram através de canais no YouTube e, principalmente, documentários na Netflix. Descobri um mundo submerso na plataforma que conta com muitos documentários sobre diversos assuntos, e só tenho elogios a todos que assisti até agora.

O documentário que eu gostaria de destacar nesse post é o “The True Cost”, para pessoas que querem começar a entender sobre o assunto, acho que é um bom ponto de partida.

Ele aborda a questão da “moda rápida“, ou “fast fashion” como eles chamam, em que há cerca de 52 coleções diferentes nas lojas por ano, o que nos faz acreditar que precisamos de todas elas para sermos felizes e socialmente aceitos. A obra audiovisual mostra como isso afeta a vida de milhares de pessoas, principalmente asiáticas, que trabalham de forma exaustiva diariamente por apenas 2 dólares para produzi-las.

Sabe todas aquelas roupas super baratas que você comprou em lugares como Forever 21, H&M, Zara, e muitas outras? Elas foram produzidas por essas pessoas que, literalmente, dão seu sangue por apenas 2 dólares ao dia. Elas são atingidas de formas inimagináveis, tudo por peças de roupas mais baratas e, muitas vezes, de qualidade questionável que acabam durando pouquíssimo tempo. Quando foi que paramos de prezar pela qualidade para nos gabarmos com quantidade?

Cada peça de roupa que simplesmente descartamos, demora mais de um século para se decompor, causando uma poluição ambiental enorme. O documentário enfatiza como somos responsáveis por cada peça que possuímos até mesmo depois de descartá-las, pois nós as escolhemos, e elas só foram produzidas porque pessoas como nós possivelmente as comprariam. Então, não descarte suas roupas, tente consertá-las, doa-las, vendê-las.

Depois de assistir esse e outros documentários, que pretendo comentar aqui também em outros posts, mudei muito meu pensamento sobre esse consumismo desenfreado. Sobre como crescemos acreditando que uma nova compra vai nos deixar mais felizes, mas, desde que comecei a pesquisar mais sobre o tema, o inverso tem acontecido: cada vez que eu vou ao shopping e não faço nenhuma compra, me sinto mais confortável comigo mesma. Sou capaz de olhar para peças de roupas e claramente pensar que não preciso delas, porque realmente não preciso.

Se esse post conseguir fazer pelo menos uma pessoa assistir ao documentário e se interessar pelo assunto, acho que já vou ter conseguindo melhorar, um pouquinho que seja, o mundo. Vamos tentar pensar mais antes de consumir, não só pelo nosso próprio bolso, mas pela qualidade de vida de outras pessoas e gerações, além do meio ambiente. A sensação de estar se libertando desse ciclo vicioso do consumo é muito boa, eu recomendo.

Tags : becolabcinemacríticadocumentáriofeaturedNetflixthe true cost
Ana Sarah

Sobre Ana Sarah

Carioca, futura produtora editorial, amante de cultura pop em geral, fanática por musicas, louca por arroz à piamontese, e com a risada mais alta conhecida pelos seres humanos. Tenho as incríveis habilidades de falar muito rápido e encostar a língua no nariz. Por fim, sou a pessoa mais tímida e contraditoriamente comunicativa que vocês irão conhecer.

9 Comentários

  1. Parabéns Sarah pela bela reflexão sobre o consumismo exagerado, principalmente por ser tão jovem.
    Tudo que excede em nossa sociedade é que a torna injusta e desigual. Busquemos o equilíbrio e teremos um mundo mais justo para todos.

  2. Gratificante saber que uma jovem profissional se interessa e se aprofunda em um tema tão relevante, sobretudo nos dias atuais, quando o descartável (produtos, relacionamentos etc) é valorizado. Parabéns!

  3. Muito inteligente. Ótima visão hodierna. Parabéns …espero ler muitos outros textos deste nível. Sua admiradora incontest.
    Bjinhos carinhosos.

  4. Texto maravilhoso!!!
    Faz pensar em diversos parâmetros que tomamos como certos, mas que no fundo não são.
    Orgulho da mamãe!!! 🙂

Comentários fechados.