fechar
LiteraturaNotícias

Entrevista: Danilo Leonardi fala sobre “cura gay” e sua influência para o meio LGBTQ+

Entrevista: Danilo Leonardi fala sobre “cura gay” e sua influência para o meio LGBTQ+
Foto: Divulgação / Bernardo Enoch Mota

Quando me assumi gay para meus pais, lá em 2002, uma das primeiras coisas que eles disseram foi que seria uma boa ideia eu visitar um psicólogo. Ser gay não era uma declaração que se fizesse tão frequentemente naquela época, ainda mais aos 15 anos e sem qualquer experiência sexual prévia. Somado ao fato de que eu era socialmente inadequado e sofria segregação por colegas da escola, meus pais queriam ter certeza absoluta de que eu não estava enganado. É assim que Danilo Leonardi, youtuber e autor com dois livros publicados começa a expressar sua opinião sobre o projeto de lei que defende que psicólogos podem utilizar de terapias para a reversão sexual em qualquer pessoa que tenha interesse. Com um ponto de vista forte e engajado para se comunicar com jovens e adolescentes do meio LGBTQ+, Danilo conversou um pouquinho com o Beco Literário sobre tudo o que já passou e como tira lições de tudo isso para sua vida e para ajudar seus fãs. Confira:

Beco Literário: Você é uma figura pública e um autor bem engajado com a causa LGBTQ+. Como isso afeta o seu cotidiano profissional ou pessoal, ao lidar com pessoas que muitas vezes são preconceituosas?

Danilo Leonardi: Eu sempre priorizo a minha segurança e a das pessoas ao meu redor. Isso significa que tento sempre conversar quando há espaço para o diálogo. Ao mesmo tempo, nem sempre isso é possível.

BL: A nossa sociedade tem um discurso de apoio aos LGBTQ+, mas na prática, são totalmente hipócritas por terem medo do diferente, do desconhecido. Você concorda? Como isso ficou visível pra você, principalmente depois da criação do Gayrotos?

DL: Vivemos em uma sociedade capitalista, em que o lucro e/ou status está muitas vezes acima dos princípios. Conforme se tornar mais seguro para as marcas e pessoas menos engajadas, tenho certeza de que apoio virá naturalmente. Até lá, estamos estruturalmente fadados à margem.

BL: Muitas pessoas comentam coisas do tipo “não sou evoluído o suficiente para estar em um relacionamento aberto”, nos seus vídeos. Como é isso pra você? Tem a ver mesmo com essa evolução em que falam?

DL: Esse discurso tem mais a ver com a ilusão de controle que as pessoas têm sobre suas vidas e as vidas das outras pessoas. Para muita gente, dar apoio significa inconscientemente aceitar que aquilo faça parte de sua vida, quando na verdade isso não faz a menor diferença.

BL: Seu intuito é conversar cada vez mais com esse público, no seu canal. Quais são os planos para o futuro dele? Tem algum spoiler de antemão?

DL: Tenho começado a dar vazão aos meus pensamentos em forma de texto, atualmente. Apesar do alcance incrível dos vídeos, a exposição traz muitos aspectos negativos para a minha vida pessoal que têm me feito refletir sobre a maneira que me exponho na internet. Estamos vivendo um hiato agora, e não temos incentivo financeiro para sair dele também. Vamos ver como a gente se sente daqui a algum tempo.

Desde cedo fui bem informado sobre o que esperar de uma consulta ao psicólogo; quais eram os códigos de ética que eles seguiam, o que poderia ou não acontecer dentro de um consultório. E um dos motivos pelos quais estive bem tranquilo, foi a garantia de que meu terapeuta teria a obrigação de reconhecer minha orientação sexual como algo natural.

BL: No seu canal vocês dão conselhos sobre situações que os inscritos passam e a maioria deles são jovens, o que você falaria pra um desses inscritos que pedisse conselho sobre procurar o suposto tratamento da cura gay?

DL: Diria que se trata de charlatanismo, uma possibilidade que já foi descartada por diversos pesquisadores sérios. Mais interessante é buscar uma maneira de viver em paz com todas as suas características.

BL: Para muitos LGBTQ+, a fase da adolescência é onde acontecem as descobertas e eles seriam os mais afetados por essa mudança na lei. Como você enxerga essa fase da vida? É realmente nela em que acontecem as maiores descobertas?

DL: Adolescentes geralmente são mais vulneráveis, por começar a desbravar o mundo sem a constante supervisão dos pais, mas ainda não terem experiência suficiente para discernir boas e más oportunidades. Individualmente, a mudança na lei pode trazer algumas experiências ruins, mas espero que nada irreversível. O maior problema é o retrocesso social que ela traz, empoderando pessoas ignorantes e homofóbicas.

BL: Qual livro você indicaria para os leitores do Beco Literário?

DL: Leiam A Revolução dos Bichos, de George Orwell. Um livro profundo, repleto de críticas sociais que tendem a fazer o leitor refletir, e ao mesmo tempo de fácil leitura para todas as idades.

O Juiz falhou em observar que sua decisão prioriza a curiosidade de pesquisadores ineptos em detrimento do bem-estar das pessoas que a psicologia deveria proteger. E que por valorizar a liberdade individual, gerou um problema social que em sua ignorância não teria capacidade de prever.

Danilo Leonardi estará presente no domingo (24/09), no evento Brain Fitness, junto com o Beco Literário em Taubaté.

Tags : cura gaydanilo leonardiEntrevistafeatured
Gabu Camacho

Sobre Gabu Camacho

Team Captain e estudante de Jornalismo que lê, escreve, e se ilude com personagens fictícios desde os quatro anos. Usa coroa na rua e chapéu em casa enquanto sofre por antecipação esperando a próxima visita do carteiro. Autor de "O garoto que usava coroa" e "Predestinado".