fechar
Livro-me
Foto: Diárioleitorblog / Google

Talvez o leitor possa considerar que o título desta obra sugira que alguém necessite desfazer-se de alguma coisa. A licença poética, contudo, permite-me transformar o substantivo “livro” em verbo. Neste caso, o verbo “livrar-se” toma para si o sentido do substantivo e deixa de significar tornar-se livre de alguma coisa, passando a exprimir a ideia de transformar-se em livro.

“Estou envolvida até o último fio de cabelo com a palavra. É uma relação de fiel cumplicidade. Eu a escrevo. Ela me descreve e explica. Eu a calo em mim. Ela diz tudo o que em mim é ininteligível. Eu dela abuso e uso prosa e verso. É ela que faz de mim poesia. Com a palavra na mão, não há solidão. Ela conta a minha história e as histórias que quero contar. É uma troca incessante entre palavras e imagens minuciosamente por elas construídas. ” Áurea Stella, 2013.

Foram com essas palavras que Áurea Stella me arrebatou em minha primeira leitura de um livro de sua autoria intitulado Livro-me, publicado pela Editora Pandorga. “Palavra minha lavra”, o primeiro de uma compilação de textos é a transcrição mais autêntica do eu-escritor/ eu-leitor de qualquer apaixonado pela leitura. A fiel tradução do mais ínfimo envolvimento entre uma pessoa e a palavra até o mais extremo relacionamento entre o ledor e a palavramundo.

Palavra essa que transforma e evolui o homem em suas habilidades retornando a sua gênese, distanciando-o de seu status quo autodestrutivo; portanto, o torna um ser mais sensível, ser mais crítico, ser mais humano.
Áurea Stella escreve para o seu leitor um diário de estilhaços, um devocional de observações dos questionamentos do cotidiano com uma leve pegada filosófica e jogo de ideias, tecendo assim um texto leve e profundo.
Alguns títulos que são encontrados no livro (exemplifiquei aqueles que marcaram a minha memória ao remeter a obra futuramente):

  • Só queria entender (p.53)
  • Todo mundo (p.45)
  • E a vida o que é? (p.31)
  • Confuso (p.39)
  • Não é para entender (p.57)
  • Quem sou (p.79)

Exemplo o fragmento denominado de “Minha morte”, dialética nem de longe tão simplista e nem de perto tão usual, a ressignificação do conceito morte e a sua justificativa prende a atenção em uma leitura ligeira. Rapidez, essa é uma característica marcante nos escritos da autora. Os textos não são extensos e com uma linguagem bem simples e objetiva, a escritora alcança qualquer tipo de leitor, seja experiente ou calouro. Sem contar na estética do livro, gracioso.

Cada texto um conto, cada conto um retalho e a cada retalho uma nova forma de vestir uma ideia. Ao tentar entender o livro, é possível compará-lo a um diário, pois em cada texto está descrito o dia de sua criação. Ao todo são trinta e seis textos e entre eles: contos (a maioria) e poemas (alguns), distribuídos em 123 páginas.

Não “livro-me” da possibilidade de reler este livro futuramente.

Tags : editora pandorgafeaturedlivro-me
Gustavo Machado

Sobre Gustavo Machado

Encontrei meu espaço entre as letras, através de parágrafos e estrofes construi meu universo particular. Resenho livros, imagino coisas, leio e escrevo. Sou formado em Letras, um apaixonado descarado pela Literatura e Filosofia. Sou professor. Um ótimo amigo e iludido facilmente. Vamos escrever algo juntos?

Responder