fechar
1
O AMOR VERDADEIRO E O VERDADEIRO AMOR É O QUE MAIS QUEREMOS ENCONTRAR.

Os finais de ano para Derek eram sempre iguais, fugia nas madrugadas frias com cobertores e agasalhos que arrecadava para distribuir para aqueles que tinham a infelicidade de enfrentar o frio como ele é. Sua mãe mal imaginava que ele já fazia isso há dois anos, já que tudo era muito bem planejado. Nos meses anteriores ele conseguia doações com amigos e em bairros afastados de sua casa, para que ninguém o reconhecesse, pois se sua mãe soubesse de suas aventuras noturnas seria quase impossível que ele saísse de casa novamente para esses fins. Não que a mãe dele seja egoísta, ela simplesmente é super protetora.

Todas as doações eram guardadas no sótão de sua casa só esperando o momento que ele sairia para as ruas novamente.

. . .

Era sua primeira noite na madrugada fria daquele ano, ele se agasalhou e recolheu tudo que iria entregar, era tudo sempre incerto, mas ele acreditava na possibilidade de ajudar os outros. Ele abre a porta de sua casa e o frio grita fazendo todo seu corpo tremer e sendo um incentivo maior para ele sair de sua casa e levar tudo que havia conseguido.

Derek decidiu ir a um posto abandonado, que não ficava tão longe de sua casa, lá famílias inteiras se espremiam para tentar suportar a dor que as frias noites de Campos do Jordão ocasionavam. As ruas estavam desertas, mesmo sendo véspera da véspera de natal, eram poucas as pessoas que tinham coragem de sair com tamanho frio.

Algumas pessoas se assustavam quando Derek aparecia com aqueles sacos no meio da madrugada. Um menino branco, não muito alto e com sardas na cara, era difícil entender o que ele estava fazendo ali sozinho. No ano passado uma senhora chegou a perguntar se ele era filho do prefeito fazendo campanha para as próximas eleições, outra perguntou se era um anjo e uma criança chegou a pedir para ele nunca ir embora. A comoção tomava seu coração nesses momentos e sem saber o que responder, ele dizia que sempre voltaria.

O coração de Derek nunca teve dona, porque ele não procurava por uma, tudo era confuso na cabeça dele, nunca havia se apaixonado por ninguém, pensava somente em ajudar as pessoas e torcer para quem sabe um dia ser presenteado com o amor de sua vida.

Derek se aproxima do posto e já sabe que está sendo visto pela maioria das pessoas que ali estavam, porque dormir exposto naquele frio era praticamente impossível, ele vislumbra cerca de doze pessoas e uma lamparina acesa. Um garoto estava ajoelhado em frente a uma caixa e perto de uma senhora que estava deitada em um fino papelão, ele claramente não era dali, suas vestes diziam isso. O garoto olha na direção de Derek, ao escutar os passos dele em sua direção.

Os olhos de Derek se aqueceram ao fitar aquela pessoa. Nunca tinha conhecido alguém que a feição lhe chamasse tanta atenção, era tudo harmônico. A sensação foi tão estranha que ele sentiu seu corpo se aquecendo entrando em contato com o frio do momento, o que deixava tudo mais quente.

— Você pode me ajudar aqui? — dispara o garoto.

Derek fica sem entender nada e se aproxima ainda mais.

— Ela está muito mal, me ajude a encontrar um remédio que trouxe para tentar melhorar essa tosse — aquiesce Derek.

Ele vasculha a caixa enquanto o garoto que aparenta ter a mesma idade de Derek pega uma garrafa e um copo, colocando um pouco de água nele. Derek acha uma cartela de comprimidos, o garoto vê que ele encontrou e destaca um e entrega para a senhora deitada no papelão.

— Vai te ajudar, tome — o garoto diz.

A senhora bebe o comprimido, mas o garoto ainda não estava satisfeito e Derek envolvido e encantado com a solidariedade dele.

— O que você trouxe nessas sacolas?

— Cobertores e agasalhos.

— Você é um anjo? É exatamente que essa senhora precisa urgentemente… Prazer, Théo.

— Derek — ele diz enquanto começa a abrir as sacolas com a ajuda de Théo.

Théo era alto e realmente chamava atenção, seus olhos claros que contrastavam com seu cabelo escuro e liso, faziam dele uma peça única e Derek já havia reparado nisso.

As mãos dos dois se chocam quando estão tirando o conteúdo das sacolas, fazendo os dois olharem face a face, algo aconteceu ali.

Eles se levantam e levam primeiramente para a senhora que estava doente um agasalho e dois cobertores, um para forrar o papelão e outro para ela se cobrir, os dois partem para auxiliar outras pessoas que ali estavam presentes, todas se mostram muito agradecidas e Théo que trouxe em sua caixa alguns mantimentos e remédios pede novamente a ajuda de Derek para distribuir entre os presentes.

A sintonia dos dois era clara, eles se completavam, o coração de Derek batia depressa e sua mão estava tão quente que poderia ajudar a aquecer qualquer pessoa com frio.

Tudo entregue, a missão daquela noite estava realizada, os dois se despedem de todos no posto e são muito elogiados e agradecidos pelo ato que fizeram. Os dois partem juntos e perguntas começam a ser feitas.

CONFIRA A PARTE II EM BREVE AQUI NO BECO LITERÁRIO.
Tags : amoramor jovembeco literárioTroye
André Daniel

Sobre André Daniel

A primeira coisa a saber sobre mim: Daniel é meu sobrenome. A segunda coisa: Não, não é nada comum. A terceira: Sou estudante de Jornalismo. A quarta: Tenho 21 anos. A quinta e as outras infinitas coisas descubram nas minhas postagens.