fechar
large (1)

Quando eu estava no ensino médio, a professora de filosofia falou sobre o quão rotineira nossas vidas se tornavam ao longo dos tempos e que a cada dia que passava, e nossa maior idade chegava, a vida só tornava-se mais e mais coisa de rotina.

Lembro que na época ri por entre os dentes de sua observação e acrescentei um ‘’coitada’’ a sua situação, afinal, acho que vida de professor naquela época não tinha muitos avanços graças ao retorno financeiro – não que hoje tenha mudado muita coisa -, e prometi que nunca viveria assim. Eu seria feliz e a única rotina que iria criar era a de ser feliz cada dia mais. Para começar, eu seria uma jornalista, viajaria o mundo por atrás de notícias e lugares incríveis. A carreira de escritora também me levaria a países como Portugal – sempre sonhei ter um livro publicado lá! -, ou quem sabe traduziram uma das minhas obras para o espanhol e eu faria uma turnê pela América Latina e passaria pela Espanha.

Hoje, me encontro sentada nessa mesma escrivaninha branca, que comprei no terceiro período da faculdade com um dinheiro que recebi por um texto que havia vendido para essas revistas de adolescente, tentando terminar esta crônica. Daqui ouço o choro de Amora, minha filha, porque João, meu filho mais velho, não quer deixa-la ver seus desenhos. Também estou atenta a lasanha que está no forno, para que pelo menos desta vez ela não queime, afinal, meu marido não tem culpa se casou-se com uma zero a esquerda na cozinha.

Não viajei para lugar nenhum que não tenha sido a Disney, nos 2 anos da Amora. E o único livro que publiquei até hoje foi independente e não rodou nem minha cidade, quem dirá chegar na Europa. Eu acordo as seis, arrumo as crianças para a escola e vou trabalhar. Mesa, notebook, corrigir textos que irão para um jornal de circulação nacional. Às quatro da tarde busco as crianças, casa, deveres de casa, faxina e começar a janta. Meu marido chega e então tenha uma folga para terminar o trabalho que trouxe para casa.

É, eu não me tornei professora, mas acabei por virar rotina.

 

Tags : autoriascrônicatextos
Julia Melo

Sobre Julia Melo

Julia Melo, católica, escritora por necessidade de expor seus sentimentos, futura jornalista por precisar cursar alguma faculdade e feminista por querer ser livre. Espera mudar o mundo com todo amor que transmite através de suas palavras!