fechar
Jantar Secreto
Um grupo de jovens deixa uma pequena cidade no Paraná para viver no Rio de Janeiro. Eles alugam um apartamento em Copacabana e fazem o possível para pagar a faculdade e manter vivos seus sonhos de sucesso na capital fluminense. Mas o dinheiro está curto e o aluguel está vencido. Para sair do buraco e manter o apartamento, os amigos adotam uma estratégia heterodoxa: arrecadar fundos por meio de jantares secretos, divulgados pela internet para uma clientela exclusiva da elite carioca. No cardápio: carne humana. A partir daí, eles se envolvem numa espiral de crimes, descobrem uma rede de contrabando de corpos, matadouros clandestinos, grã-finos excêntricos e levam ao limite uma índole perversa que jamais imaginaram existir em cada um deles.

Eu não sei de onde saiu a indicação de que Jantar Secreto seria um livro com “humor negro”, porque a única coisa que senti durante essa leitura, que foi relativamente rápida, foi um misto de nojo com pavor e medo. Sim, muito medo.

Nunca gostei de livros de terror, talvez seja por isso que eu nunca tivesse lido algo do Raphael Montes anteriormente, apesar de já ter ouvido falar bastante nesse nome. Adiei leituras porque sempre me descreviam como “o autor que escreve coisas policiais que dão muito medo”, ai já viu. Provavelmente, eu nem teria lido Jantar Secreto se não fosse a multidão de pessoas me indicando o livro. Era no trabalho, na faculdade, por mensagens aqui… E ele mal tinha lançado! Como esse povo já tinha lido? Entendi assim que finalizei a leitura.

Jantar Secreto conta a história de Dante, o típico adolescente que sai do interior do Paraná, para fazer faculdade na cidade grande, Rio de Janeiro, e dividir um apê com os amigos. Nessa época, nenhum de nós tem um real no bolso, mas para eles, continuou assim mesmo após se formarem. Continuaram ali por anos, morando juntos. Leitão, um deles, sequer terminou a faculdade e passa o dia todo na cama, jogando, vendo seu pornô e arrumando dinheiro com golpes online. Miguel, ainda termina sua residência de Medicina. Hugo, é chef de cozinha e tem um ego do tamanho do mundo. E Dante, ah, Dante… Trabalha numa livraria e se diverte entre um crush e outro no Tinder ou Grindr.

Bom, tudo segue nos eixos, cada um buscando melhores oportunidades de emprego, para manter o apartamento, que é localizado em Copacabana e grande o bastante para os quatro. Mas nada é tão fácil assim. E tudo piora quando Dante recebe uma ligação da imobiliária dizendo que estão com seis meses de aluguel atrasado. Mas como pode? Todos depositaram sua parte para Leitão corretamente…

Acontece que Leitão se apaixonou por Cora, uma garota de programa. E o dinheiro foi investido em presentinhos. Como pagar o atraso em um prazo tão pequeno? A dívida passa de dez mil reais, e com o país em crise ainda, nenhuma solução parece ser cabível. Até que Hugo, nosso chef, tem uma ideia: por que não se cadastrarem no site JantarSecreto.com e servirem pratos típicos para turistas? Poderiam levantar uma grana a mais. Maravilha, mãos à massa. Leitão, publica nosso cardápio no site.

E ele faz. Mas em vez de servir cordeiro, Leitão mudou um pouquinho as coisas. Bem pouquinho. Que tal servir carne humana? O resultado: mais de 30 mil reais na conta em menos de uma hora. Parece que as pessoas tem sede do perigo.

Eu sabia que nunca mais esqueceria aquele rosto. Era a mulher que tínhamos servido no último jantar.

E é aí que você começa a perder o fôlego. Onde arrumar um corpo? Como cozinhar um corpo? Incrivelmente, isso tudo dá certo. E muito. O jantar fez sucesso. Tanto sucesso que, o negócio começou a crescer, e as proporções foram se tornando inimagináveis. Jantares de carne humana uma vez por semana. Duas vezes por semana. Três vezes por semana. Todos os dias.

A trama de Raphael Montes é sufocante nesse livro. Você começa e fica impossível parar por um segundo até chegar na última página. Tem crítica social travestida de drama adolescente, tem crítica aos seres humanos, tem crítica a tudo! E eu, que li esse livro numa vibe quero parar de comer carne, foi literalmente um prato cheio para tal façanha. O autor nos mostra, tudo o que acontece dentro de matadouros, frigoríficos e açougues, com animais, porém, nos faz sentir na própria pele. Afinal, é muito fácil pensar nos outros. Quando a figura muda de lado, tudo parece cruel, desumano. Mas é tão diferente assim da nossa realidade.

Vladimir encomendou um prato diferente. Vamos servir vitelo de gaivota.

A trama se enrosca em espirais de críticas, crimes quase perfeitos, violência e análises sociais que nos deixam sem rumo 99% do tempo, e que abre nossa mente de uma forma que eu jamais poderia imaginar dentro de um livro de “terror”. Montes consegue descrever suas cenas com tamanha maestria, que faz o leitor criar imagens com perfeição em sua mente, cravando em seus pensamentos um trauma doloroso do retrato social do nosso país atualmente.

Jantar Secreto é de longe, um livro cinco estrelas, mas pesado e denso. Não é recomendável para qualquer um, é preciso ter estômago e força, para ver cenas que você não conseguiria imaginar nem em seus piores pensamentos ou no mais sangrento episódio de uma série médica.  É uma leitura totalmente obrigatória e finalizo essa resenha  dizendo que, assim que eu me recuperar desse livro, embarcarei nos outros do autor, na esperança de encontrar um amparo do vazio que esse me causou.

Tags : companhia das letrasjantar secretoraphael montes
Gabu Camacho

Sobre Gabu Camacho

Team Captain e estudante de Jornalismo que lê, escreve, e se ilude com personagens fictícios desde os quatro anos. Usa coroa na rua e chapéu em casa enquanto sofre por antecipação esperando a próxima visita do carteiro. Autor de "O garoto que usava coroa na rua".