fechar
Resenhas

Resenha: It – A Coisa, Stephen King

It-A-coisa
Durante as férias escolares de 1958, em Derry, pacata cidadezinha do Maine, Bill, Richie, Stan, Mike, Eddie, Ben e Beverly aprenderam o real sentido da amizade, do amor, da confiança e… do medo. O mais profundo e tenebroso medo. Naquele verão, eles enfrentaram pela primeira vez a Coisa, um ser sobrenatural e maligno que deixou terríveis marcas de sangue em Derry.
Quase trinta anos depois, os amigos voltam a se encontrar. Uma nova onda de terror tomou a pequena cidade. Mike Hanlon, o único que permanece em Derry, dá o sinal. Precisam unir forças novamente. A Coisa volta a atacar e eles devem cumprir a promessa selada com sangue que fizeram quando crianças. Só eles têm a chave do enigma. Só eles sabem o que se esconde nas entranhas de Derry. O tempo é curto, mas somente eles podem vencer a Coisa. Em It : A Coisa, clássico de Stephen King em nova edição, os amigos irão até o fim, mesmo que isso signifique ultrapassar os próprios limites.

A cada vinte e sete anos, desaparecimentos e mortes misteriosas ocorrem em Derry, no Maine. Uma força sobrenatural reside na cidade se alimentando de seus piores medos e angustias, enfrentá-la pode ser a única maneira de se ver livre dela pra sempre, mas isso já foi feito uma vez e quando o ciclo recomeçou ela parecia mais faminta do que nunca.

Stephen King conseguiu me prender a sua narrativa de uma forma que poucos autores conseguiram, pois apesar de ser um livro relativamente grande ele não se torna cansativo, fazendo você perder o sono e não largá-lo até o seu desfecho, que por sinal foge do clichê substituindo os arrepios por lágrimas.

Seus esforços serão falhos caso tente não se apegar aos personagens, pois cada um deles possui personalidades fortes e características únicas, tornando o suspense ainda mais apavorante quando o seu personagem favorito está a um passo de ser devorado, mas enquanto a isso você terá de se acostumar pois brutalidades é o que não faltam no decorrer da trama.

Em 1958 um grupo de amigos enfrentaram a Coisa, pode parecer injusto que crianças na faixa de 12 anos tenham tido tal responsabilidade mas isso só fez mostrar o quão forte era sua amizade, depois de derrotá-la achavam que a tinham matado, mas a duvida insistia em permanecer, então os sete fizeram um pacto de sangue prometendo voltar a cidade e acabar de uma vez por toda com o mal que ali habitava.

A Coisa na maioria das vezes assume a forma de um palhaço, aliás qual a melhor forma de atrair uma criança? Elas são suas vitimas favoritas, possuem a mente criativa e cheia de medos a serem explorados e logo após de a terem cativadas a Coisa se transforma no seu pior pesadelo, devorando-a em parte e deixando o resto jogado a esmo até que um pobre coitado encontre o que sobrou de seu jantar.

Richie, Ben, Beverly, Eddie, Bill e Stan já não moram mais em Derry, cada um tinha seguido sua vida que não incluía uns aos outros e obtido um sucesso profissional cobiçado por muitos. Em uma noite recebem uma ligação, trinta anos após o juramento que fizeram, um ligação capaz de aterrorizá-los tanto quanto quando estavam naquela maldita cidade, era Mike, o único que tinha permanecido em Derry e reuniu provas de que a Coisa voltou, e agora eles estão acorrentados a uma promessa que fizeram no passado tendo de voltar onde tudo começou e junto com Mike derrotar a Coisa, mas primeiro será preciso lembrar de como aconteceu, muitos anos se passaram e poucas foram as memórias que restaram.

Um suspense repleto de flashbacks que vai fazer qualquer leitor querer mais, não importa o quanto o presente seja esclarecedor e superficialmente suficiente, King sempre nos joga no passado mostrando ainda mais detalhes para provar que sempre a algo mais a ser explorado.

Rodrigo Batista

Sobre Rodrigo Batista

Viajante de mundos paralelos nas horas vagas.